Exército de um soldado só.

Jorge Luis Oliveira Campos

“Enquanto você dormia, muita coisa acontecia. O lago e a lagoa se transformavam em poesia.” Com versos feito esses, que refletem a natureza e o meio ambiente, o autônomo Jorge Luís Oliveira Campos, de 50 anos, expressa na 57° Feira do Livro de Porto Alegre a sua preocupação com a poluição do Rio Guaíba.

“Noite encantada vestida de encanto e magia, do céu a lua assistia. O lago e a lagoa transbordar em poesia.” O poema de Jorge foi escrito no chão da Praça da Alfândega com tampinhas de garrafa recolhidas do Guaíba. A mensagem silenciosa pretende conscientizar os porto-alegrenses da importância da preservação de rios e lagos.

Há 15 anos, Jorge trabalha limpando as margens do Guaíba. Sozinho, ele passa a semana recolhendo pneus, tampas, garrafas e outros materiais que degradam o rio. Para escrever o poema, ele utilizou cerca de mil tampinhas de garrafa Pet, todas recolhidas em duas horas aproximadamente.

Nascido em Porto Alegre, o gaúcho de 50 anos cria seus versos inspirado pela poluição do rio que ele tanto ama. “Crio os poemas a qualquer horário, às vezes estou lavando o rosto e as palavras surgem na minha mente, saio escrevendo e fico admirado com o resultado”, entusiasma-se.

Todos os materiais recolhidos são ensacados e entregues ao caminhão da prefeitura. O trabalho do poeta é incansável, diariamente ele está às margens do Guaíba, próximo à foz do Arroio Dilúvio, realizando uma de suas mais árduas tarefas, mas, ao mesmo tempo, a mais gratificante.

“Noite encantada vestida de encanto e magia, do céu a lua assistia. O lago e a lagoa transbordar em poesia.”

Fonte: http://portal3.com.br/wp/exercito-de-um-soldado-so

Em 28/12/2010 eu achei o video abaixo e decidi repostá-lo para não correr o risco dele se perder na internet e por achar a mensagem deste cidadão exemplar, muito a frente de seu tempo.